Polícia Federal realizou 390 operações em 2014 em todo o Brasil

Relatório com foco no combate à corrupção, crimes financeiros e tráfico de drogas foi apresentado nesta quarta.


O Departamento da Polícia Federal apresentou, nesta quarta-feira, (8), um relatório com o resultado de operações realizadas em 2014. A Polícia Federal definiu como prioridade nas operações o combate à corrupção e crimes financeiros, asfixia de organizações criminosas e crimes na região de fronteira, como o tráfico de drogas e de armas.

A PF contabilizou, em 2014, 2.773 prisões, entre preventivas, temporárias e em flagrante. Foram mais 996 conduções coercitivas para prestar esclarecimento durante as investigações. Os policiais federais prenderam 163 servidores públicos. No período, a PFl realizou 390 operações – 87 a mais que em 2013. O relatório foi apresentado pelo delegado Oslain Campos Santana, diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal.

O resultado positivo alcançado durante os trabalhos é atribuído pelo diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, à criação de unidades especializadas, a exemplo do Serviço de Repressão a Desvio de Recursos Públicos (SRDP), com delegacias específicas nos estados, capacitação permanente de policiais e desenvolvimento de processos investigativos. “Os números atestam a eficiência operacional das nossas equipes no Brasil”, analisou Daiello.

Para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, os números são “positivamente impactantes”. Cardozo lembrou que a Polícia Federal é autônoma e que, diferentemente do que é especulado, não há processo de sucateamento da instituição. "Numa série histórica, é mostrado o que afirmamos há algum tempo. Se olharmos o número de 2003, foram 18 operações especiais, em 2014 o número é de 390 operações. Isso se reproduz em todos os indicadores e mostra a melhoria clara de nossa Polícia Federal nos últimos anos", avaliou o ministro da Justiça.

Cardozo lembrou que a PF tem um papel decisivo no combate à corrupção, crimes financeiros, crime organizado e contra o narcotráfico, alcançado por conta de uma autonomia funcional que já faz parte do cotidiano das operações e investigações. "Polícia tem que ter autonomia operacional. O ministro deve garantir essa autonomia, garantir recursos e nomear pessoas que atuem com liberdade e cumprindo o papel da Polícia Judiciária”, afirmou.

Fonte: Ministério da Justiça
FOTO: DIVULGAÇÃO / MINISTÉRIO DA JUSTIÇA


Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário