Deputados debatem atendimento à saúde dos agentes de segurança


A Assembleia Legislativa promoveu nesta segunda-feira (6) uma audiência pública para discutir e propor soluções para o atendimento à saúde dos profissionais de segurança pública. O debate, proposto pela deputada Cristiane Dantas (PCdoB), reuniu representantes das Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte.

“Os agentes são fundamentais para garantir a segurança da população. A carga de estresse a qual esses profissionais são submetidos no dia a dia comumente resulta em problemas emocionais, o que leva ao afastamento dos mesmos. O debate é fundamental para apontar caminhos que melhorem o atendimento à saúde dos agentes de segurança e seus familiares”, disse Cristiane.

O secretário adjunto da Secretaria de Saúde do Estado (SESAP), Aroldo Melo do Vale, defende como alternativa o atendimento aos profissionais de segurança pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

“Temos que fortalecer o SUS e encontrar nele uma solução de atendimento diferenciado para os bravos agentes que promovem a segurança dos nossos cidadãos”, declarou. Aroldo assegurou que o assunto será discutido pelo colegiado da SESAP.

O vereador Cabo Jeoás (PCdoB), presidente da Frente Parlamentar de Segurança da Câmara Municipal de Natal, entende que o atendimento à saúde dos agentes de segurança precisa ser regular e extensivo aos seus cônjuges e familiares. 

“Precisamos de uma assistência que seja sistemática. Os agentes devem ser avaliados periodicamente”, disse. O vereador sugeriu a realização de concurso público para o preenchimento das vagas para profissionais de psicologia e psiquiatria dentro dos quadros da Polícia Militar.

Durante a audiência, a presidente da Associação de Esposas, Familiares e Amigos da Polícia Militar, Roberta Poliana, fez um apelo ao Governo do Estado pela informatização do Centro Clínico da Polícia Militar. De acordo com ela, a unidade sofre com a falta de profissionais e com a dificuldade para agendamento de consultas.

Segundo o sargento Eliabe Marques, presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais Militares e Bombeiros do RN, é necessário garantir segurança aos agentes para que eles possam assegurar a segurança da sociedade. 

“Não tem como prestar serviço de qualidade enquanto a sua própria segurança está ameaçada”, ponderou o sargento, sugerindo ainda a realização de visitas técnicas aos Estados que apresentam êxito no atendimento de saúda aos agentes de segurança.

A presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Vilma Batista, entende que a categoria por ela representada precisa de valorização e do reconhecimento do Executivo estadual. 

“Somos considerados a profissão mais estressante do mundo e até hoje não dispomos de assistência médica. Sofremos com a consequência das más condições de trabalho e com a insalubridade da profissão pelo convívio com presos portadores das mais diversas doenças”, destacou Vilma.

A presidente do Sindicato dos Policiais Civis (SINPOL/RN), Renata Pimenta, cobrou do Governo a criação de um plano de saúde para a categoria. “O sindicato tem custeado psicólogos e psiquiatras para os agentes. Além do plano de saúde, a remuneração também deve ser valorizada”, disse ela.

O diretor de saúde da Polícia Militar, Coronel PM Roberto Galvão, disse que vem sendo discutida pela Secretaria de Segurança Pública do Estado a criação de Unidades Básicas de Saúde dentro dos batalhões estaduais. Galvão também reforçou o anúncio feito recentemente pela secretária de segurança, Kalina Leite, sobre a possibilidade de realização de concurso público na área de segurança pública ainda em 2015.

Ao final da audiência, a deputada Cristiane Dias disse que será encaminhado requerimento à secretária de segurança solicitando que o concurso público anunciado por ela contemple vagas para profissionais de saúde. Cristiane também pede a reativação da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e da Maternidade da Polícia Militar. 

A parlamentar sugeriu ainda a possibilidade de contratação de atendentes para o Centro Clínico da PM e a elaboração de um Projeto de Lei para contratação temporária de profissionais de saúde para atuarem nas Unidades Básicas anunciadas pelo Coronel Roberto Galvão.

“Grande parte dos problemas desses agentes é consequência de um efetivo aquém do necessário, que acarreta em sobrecarga de trabalho e estresse emocional. Precisamos de um concurso público para assegurar mais agentes em atividade e oferecer um atendimento digno aos profissionais de segurança e à sociedade”, concluiu Cristiane.

*Mossoró Hoje
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário