Justiça mantém prefeito acusado de desvios em Umarizal afastado do cargo



A Justiça do Rio Grande do Norte recebeu a denúncia do Ministério Público Estadual contra o ex prefeito José Rogério de Sousa Fonseca, a mulher dele Vilma Fernandes de Sousa, Francisco Edivan de Oliveira, Josberto de Sousa Oliveira, Abimael Thiago Bezerra de Melo, Bruno Ewerton Bezerra Leal, Marinaldo Amâncio da Silva Junior e Eldeneide Pereira de Medeiros.

Há com relação ao prefeito Carlindson Onofre Pereira de Melo, que, segundo o Ministério Público Estadual, também está envolvido nos desvios de recursos públicos da Prefeitura de Umarizal, o Tribunal de Justiça do Estado, na pessoa do desembargador Expedito Ferreira de Sousa, não acatou seu pedido para voltar ao cargo de prefeito. A Prefeitura continua no comando do vice prefeito Marcos Fernandes.

Consta no procedimento investigatório criminal nº 06.201400007546-8 que os denunciados, entre os meses de junho de 2012 e julho de 2013 em Umarizal, em datas diversas, associaram-se para o fim específico de cometer crimes, inseriram declaração falsa em documento, fazendo uso de papéis falsificados, além de obterem para si ou para outros, vantagem ilícita.

O objetivo do grupo foi o desvio de dinheiro através do Termo de Convênio celebrado entre a Prefeitura Municipal de Umarizal e o Banco Gerador S.A, para a concessão de empréstimos consignados e financiamentos aos servidores ativos e inativos.

Foram firmados 109 empréstimos dessa natureza na Prefeitura, sendo liberado nas contas dos interessados o valor total de R$ 1.571.792,33, o que gerou um saldo devedor aproximado de R$ 2.043.625,34 atualizado até o ano de 2014.

O fato foi alvo da Operação Negociata, deflagrada em 29 de julho deste ano pelo MPRN, com apoio da Polícia Civil. Entretanto, dos 109 beneficiários dos empréstimos, 98 sequer fazem parte do quadro de servidores públicos do Município de Umarizal.

Tais empréstimos tiveram início no ano de 2010, na gestão do ex-prefeito denunciado, José Rogério de Souza Fonseca, e prosseguiu, até meados do ano de 2013, portanto, no início da gestão do atual prefeito, que está afastado em função de determinação do Tribunal de Justiça.

Segundo as investigações, os membros do grupo criminoso, de forma organizada e com divisão de tarefas, fraudavam contracheques de supostos servidores e, após o depósito do dinheiro nas contas dos beneficiários por parte do banco, sacavam e transferiam o montante em benefício do grupo criminoso e para financiar a campanha eleitoral do candidato vencedor das eleições locais de 2012.

Josberto de Souza Oliveira e Abimael Thiago Bezerra Melo, conforme a acusação, eram os responsáveis pela captação de "clientes" (supostos servidores públicos) e recolhimento de assinaturas dos interessados nas propostas de empréstimos.

Em seguida, a documentação era analisada por Marinaldo Amâncio da Silva Júnior, sócio oculto da empresa Nordeste Serviços Ltda, validada e repassada ao banco Gerados S.A. para a liberação do empréstimo.

Todas as informações necessárias para a consumação dos crimes eram também atestadas pelos respectivos secretários municipais da Prefeitura, Vilma Fernandes de Souza e Francisco Edivan de Oliveira – ambos confirmavam que os interessados seriam servidores do Município de Umarizal, sem o serem.

Já a Bruno Ewerton Bezerra Leal pesa a acusação de que seria um dos mentores da associação criminosa, apontado como o planejador de toda a empreitada delituosa. De acordo com a peça acusatória do MPRN, Ildeneide Pereira de Medeiros, juntamente com o esposo Josberto, inseria as informações sobre os falsos servidores públicos em contra-cheques modelo – além de acompanhar o marido por inúmeras vezes para a realização de saques, transferências e entregas de dinheiro, proveniente de contas correntes dos contratantes dos empréstimos consignados, rateando-o entre os demais participantes do esquema.

Em razão dos elementos colhidos durante a investigação, restou demonstrada a materialidade e fortes indícios de autoria dos crimes de associação criminosa (art. 288, do Código Penal), estelionato (art. 171, do Código Penal), falsificação de documento público e particular (art. 297 e 298, ambos do Código Penal), falsidade ideológica (art. 299, do Código Penal), peculato (art. 312, do Código Penal), art, 1º, I, inciso I do Decreto Lei 201/67, entre outros. As penas variam de dois a 12 anos e multa, quando houver.

*Mossoró Hoje
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

4 comentários

Clique aqui para comentários
Anônimo
Administrador
8 de agosto de 2015 20:24 ×

Se pesa algo sobre o prefeito Mano, certamente está em segredo de justiça, já que até o momento o que lhe afeta é o afastamento. E isso porque a investigação está em curso, não podendo ser concedido o direito ao retorno. Em nenhum momento fora lhe incitado nenhuma acusação como foi feito aos demais envolvidos, ao contrário, onde foram anexadas nesta última sexta, mais acusações.

Responder
avatar
Anônimo
Administrador
9 de agosto de 2015 13:28 ×

Na hora certa falarei a VERDADE.

Responder
avatar
Anônimo
Administrador
9 de agosto de 2015 14:59 ×

Querido ou (a) leia as reportagens e compreenda:Há com relação ao prefeito Carlindson Onofre Pereira de Melo, que, segundo o Ministério Público Estadual, também está envolvido nos desvios de recursos públicos da Prefeitura de Umarizal

Responder
avatar
Anônimo
Administrador
10 de agosto de 2015 10:02 ×

Engraçado a polícia fala quê tem fortes indícios de fraudes ai ainda aparece uma pessoa fazendo comentarios a favor .comcerteza é da panelinha ou ta com medo de ficar desempregado-[a] .se roubou é para ir pá cadeia. Pq um pobre quando rouba uma lata de leite vai p cadeia pq quem rouba milhões ñ deve ir. E parabéns Azevedo bala nesses ladraozinhos de celular .

Responder
avatar

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário