Acusado de matar menina de 2 anos e comerciante, de 48, pega 80 anos de pena base

O Tribunal do Júri Popular de Mossoró condenou o ASG Alysson Kleyton Dantas de Oliveira, de 22 anos, a 80 anos de prisão por duas tentativas de homicídios e dois homicídios ocorridos dentro de uma casa, no bairro Santo Antônio, no início da noite do dia 24 de maio de 2013. Entretanto, seguindo o que orienta o Código Penal Brasileiro, o juiz fixou a pena definitiva do réu em 30 anos de prisão.

Vítimas

João Maria da Silva, comerciante na época com 47 anos (Homicídio)

Deyse Kelly Felix da Silva, a época com 2 anos e 4 meses (homicídio);

Jeferson Vieira Lopes, o Jefinho, a época com 16 anos e hoje com 19 (tentativa de homicídio); esta vítima posteriormente terminou sendo assassinada.

Gabriel Cosme da Silva Oliveira, estudante de 17 anos (tentativa de homicídio). Foi ouvida durante a instrução do processo, mas em seguida foi embora.


O julgamento aconteceu no Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins, na região leste de Mossoró. Começou às 8h sob a presidência do juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros. O promotor Armando Lúcio Ribeiro funcionou na acusação e os advogados José Wellington Barreto e Lúcio Ney de Sousa atuaram na defesa do réu.

Após feito o sorteio do Conselho de Sentença, o juiz presidente dos trabalhos tomou o depoimento do acusado Alysson Kleyton, que é conhecido no bairro por “Espiga”. Ele negou ao Conselho de Sentença que tivesse matado a menina Deyse Kelly, assim como o comerciante João Maria e afirmou não ter tentado contra a vida de três adolescentes na mesma ocasião.

O depoimento do réu vai de encontro ao que falou todas as testemunhas, inclusive oculares e também as vítimas sobreviventes. Simone Félix de Sousa disse que estava passando uma chuva na casa quando chegaram Fernando e Jeffinho correndo e entraram. Logo em seguida entra Alysson Kleyton atirando. Acerta um tiro na altura do coração de João Maria, que morre no local e um tiro na coxa da menina Deyse Kelly, que morreu no hospital.

Foto: Marcelino Neto

Fernando não foi baleado e após o fato foi embora de Mossoró. Jeffinho relatou que não atiraram em Alysson na rua e que foi atacado e que Fernando revidou dentro da casa, que se não tivesse revidado dentro da casa, Alisson teria matado todos no local. O promotor Armando Lúcio Ribeiro inclusive destacou este detalhe durante sua fala aos jurados.

Após o crime, Alisson Kleyton fugiu numa Trax azul. Foi embora para Currais Novos um dia após a ocorrência. Lá foi localizado e preso por determinação da Justiça de Mossoró.

No Tribunal do Júri, o promotor Armando Lúcio Ribeiro pediu a condenação do réu em sua forma duplamente qualificada e a defesa (advogados José Wellington Barreto e Lucio Ney de Sousa) defendeu tese de negativa de autoria.

O Conselho de Sentença seguiu o pleito do promotor Armando Lúcio, que durante sua fala no plenário, lembrou que o caso foi tão grave que inclusive a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil havia acompanhado o caso, tamanho foi o estrago social causado pelas execuções da criança e do comerciante.

Depois da decisão do Conselho de Sentença em sala secreta, o juiz presidente do Tribunal do Júri Popular definiu a pena para cada crime. Para cada um das duas tentativas de homicidio, foi aplicado pena base de R$ 20 anos.

Neste caso, a legislação manda que reduza a pena em 1/3, ficando assim 13 anos e 4 meses. Como foram duas tentativas, soma-se 26 anos e 8 meses de prisão.

A pena base para cada um dos dois homicídios também foi de 20 anos. Neste caso, a Legislação não prevê redução e nem aumento. Como se trata de penas cumulativas, a regra manda que o presidente do TJP pegue a maior pena e some 50%, chegando assim a pena definitiva de 30 anos de prisão.

Segue sentença na íntegra

Autos n.º 

0110174-66.2013.8.20.0106

Ação 

Ação Penal de Competência do Júri/PROC 

Autor 

"MINISTÉRIO PÚBLICO DA COMARCA DE MOSSORÓ 

Réu 

Alysson Kleyton Dantas de Oliveira 

SENTENÇA

I – DO RELATÓRIO

Alysson Kleyton Dantas de Oliveira, qualificado nos autos, foi pronunciado pela suposta prática dos seguintes crimes:

1) um homicídio qualificado, na modalidade tentada, contra a vítima Jefferson Vieira Lopes;

2) um homicídio qualificado na modalidade tentada contra a vítima Gabriel Cosme da Silva Oliveira, pela regra do art. 73 (segunda parte) do Código Penal; e

3) dois homicídios qualificados consumados contra as vítimas João Maria da Silva e Dayse Kelly Félix da Silva, ambos também pela regra do art. 73 (segunda parte) todos do Código Penal.

Efetuado o julgamento do réu em plenário do Tribunal do Júri no dia de hoje, o Egrégio Conselho de Sentença, por maioria de votos, CONDENOU o acusado nas penas do crime descrito no art. 121, § 2º, I (duas vezes) e art. 121, § 2º, I, c/c art. 14, II (duas vezes), pela regra do art. 73 (segunda parte) todos do Código Penal.

É o relatório. Decido.

II – DA FUNDAMENTAÇÃO

A decisão do júri é soberana e o julgamento atendeu aos procedimentos legais, não sendo arguida qualquer nulidade. Assim, em razão da condenação levada a efeito pelo Conselho de Sentença, há de ser reconhecida a condenação, nos termos que adiante segue.

III – DO DISPOSITIVO

DIANTE DO EXPOSTO, declaro condenado o réu Alysson Kleyton Dantas de Oliveira nas penas do no art. 121, § 2º, I (duas vezes) e art. 121, § 2º, I, c/c art. 14, II (duas vezes), pela regra do art. 73 (segunda parte) todos do Código Penal, que passo a quantificar adiante.

IV - DA DOSIMETRIA

Passo à dosimetria da pena em observância ao teor dos arts. 59 e 68 do Código Penal, atento ao critério trifásico.

No primeiro momento, impõe-se a análise das circunstâncias judiciais descritas no art. 59 do Código Penal.

1) Quanto ao crime de homicídio na modalidade tentada contra a vítima Jefferson Vieira Lopes.

Culpabilidade: desfavorável, uma vez que o fato de o acusado ter ingressado em residência alheia e ter atirado sem medir consequências, principalmente sem se preocupar com quem seria atingido pelos disparos, revela maior reprovabilidade da conduta do agente; Antecedentes: desfavorável, conforme certidão de fl. 225; Conduta social: favorável, pois não há registros nos autos de que ele tenha mau relacionamento social; Personalidade do agente: favorável, pois não há como aferi-la; Motivo: favorável, pois foi apreciado como qualificadora e reconhecida pelos jurados, por isso é utilizada apenas para qualificar o crime com o fim de evitar o bis in idem; Circunstâncias: desfavoráveis, posto que o delito se deu no interior de uma residência em que residiam pessoas que nada tinham a ver com a inimizade entre o acusado e a vítima Jefferson; Consequências do crime: desfavorável, visto que a morte de duas pessoas, incluindo uma criança que se encontrava em sua própria residência gerou sentimento de desespero extremo aos seus familiares; Comportamento da vítima: segundo entendimento do STJ, não há como ser desfavorável ao réu.

Considerando as quatro circunstâncias desfavoráveis, fixo a pena-base em 20 (vinte) anos de reclusão. Foi utilizado o seguinte critério: partindo-se da pena base mínima abstrata, a ela foi acrescida a quantidade de dois anos para cada circunstância judicial desfavorável (o que corresponde a 1/6 dessa pena mínima abstrata).

Não há agravantes nem atenuantes a considerar.

Não há causas de aumento a considerar.

Em razão da causa de diminuição de pena consistente na tentativa, reduzo a pena em 1/3 (um terço).

Por tal motivo, torno a pena concreta e definitiva para este crime em 13 (treze) anos e 04 (quatro) meses de reclusão.

2) Quanto ao crime de homicídio na modalidade tentada contra a vítima Gabriel Cosme da Silva Oliveira

De início, ressalto que a dosimetria para este crime, em razão da regra contida no art. 73 do Código Penal (Art. 73 - Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código – Grifos acrescentados), essa dosimetria é realizada como se tivesse sido praticado contra a vítima pretendida.

Culpabilidade: desfavorável, uma vez que o fato de o acusado ter ingressado em residência alheia e ter atirado sem medir consequências, principalmente sem se preocupar com quem seria atingido pelos disparos, revela maior reprovabilidade da conduta do agente; Antecedentes: desfavorável, conforme certidão de fl. 225; Conduta social: favorável, pois não há registros nos autos de que ele tenha mau relacionamento social; Personalidade do agente: favorável, pois não há como aferi-la; Motivo: favorável, pois foi apreciado como qualificadora e reconhecida pelos jurados, por isso é utilizada apenas para qualificar o crime com o fim de evitar o bis in idem; Circunstâncias: desfavoráveis, posto que o delito se deu no interior de uma residência em que residiam pessoas que nada tinham a ver com a inimizade entre o acusado e a vítima Jefferson; Consequências do crime: desfavorável, visto que a morte de duas pessoas, incluindo uma criança que se encontrava em sua própria residência gerou sentimento de desespero extremo aos seus familiares; Comportamento da vítima: segundo entendimento do STJ, não há como ser desfavorável ao réu.

Considerando as quatro circunstâncias desfavoráveis, fixo a pena-base em 20 (vinte) anos de reclusão. Foi utilizado o seguinte critério: partindo-se da pena base mínima abstrata, a ela foi acrescida a quantidade de dois anos para cada circunstância judicial desfavorável (o que corresponde a 1/6 dessa pena mínima abstrata).

Não há agravantes nem atenuantes a considerar.

Não há causas de aumento a considerar.

Em razão da causa de diminuição de pena consistente na tentativa, reduzo a pena em 1/3 (um terço).

Por tal motivo, torno a pena concreta e definitiva para este crime em 13 (treze) anos e 04 (quatro) meses de reclusão.

3) Quanto ao crime de homicídio consumado contra a vítima João Maria da Silva

De início, ressalto que a dosimetria para este crime, em razão da regra contida no art. 73 do Código Penal (Art. 73 - Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código – Grifos acrescentados), essa dosimetria é realizada como se tivesse sido praticado contra a vítima pretendida.

Culpabilidade: desfavorável, uma vez que o fato de o acusado ter ingressado em residência alheia e ter atirado sem medir consequências, principalmente sem se preocupar com quem seria atingido pelos disparos, revela maior reprovabilidade da conduta do agente; Antecedentes: desfavorável, conforme certidão de fl. 225; Conduta social: favorável, pois não há registros nos autos de que ele tenha mau relacionamento social; Personalidade do agente: favorável, pois não há como aferi-la; Motivo: favorável, pois foi apreciado como qualificadora e reconhecida pelos jurados, por isso é utilizada apenas para qualificar o crime com o fim de evitar o bis in idem; Circunstâncias: desfavoráveis, posto que o delito se deu no interior de uma residência em que residiam pessoas que nada tinham a ver com a inimizade entre o acusado e a vítima Jefferson; Consequências do crime: desfavorável, visto que a morte de duas pessoas, incluindo uma criança que se encontrava em sua própria residência gerou sentimento de desespero extremo aos seus familiares; Comportamento da vítima: segundo entendimento do STJ, não há como ser desfavorável ao réu.

Considerando as quatro circunstâncias desfavoráveis, fixo a pena-base em 20 (vinte) anos de reclusão. Foi utilizado o seguinte critério: partindo-se da pena base mínima abstrata, a ela foi acrescida a quantidade de dois anos para cada circunstância judicial desfavorável (o que corresponde a 1/6 dessa pena mínima abstrata).

Não há agravantes nem atenuantes a considerar.

Não há causas de aumento nem de diminuição de pena a considerar.

Por tal motivo, torno a pena concreta e definitiva para este crime em 20 (vinte) anos de reclusão.

4) Quanto ao crime de homicídio consumado contra a vítima Dayse Kelly Félix da Silva

De início, ressalto que a dosimetria para este crime, em razão da regra contida no art. 73 do Código Penal (Art. 73 - Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código – Grifos acrescentados), essa dosimetria é realizada como se tivesse sido praticado contra a vítima pretendida.

Culpabilidade: desfavorável, uma vez que o fato de o acusado ter ingressado em residência alheia e ter atirado sem medir consequências, principalmente sem se preocupar com quem seria atingido pelos disparos, revela maior reprovabilidade da conduta do agente; Antecedentes: desfavorável, conforme certidão de fl. 225; Conduta social: favorável, pois não há registros nos autos de que ele tenha mau relacionamento social; Personalidade do agente: favorável, pois não há como aferi-la; Motivo: favorável, pois foi apreciado como qualificadora e reconhecida pelos jurados, por isso é utilizada apenas para qualificar o crime com o fim de evitar o bis in idem; Circunstâncias: desfavoráveis, posto que o delito se deu no interior de uma residência em que residiam pessoas que nada tinham a ver com a inimizade entre o acusado e a vítima Jefferson; Consequências do crime: desfavorável, visto que a morte de duas pessoas, incluindo uma criança que se encontrava em sua própria residência gerou sentimento de desespero extremo aos seus familiares; Comportamento da vítima: segundo entendimento do STJ, não há como ser desfavorável ao réu.

Considerando as quatro circunstâncias desfavoráveis, fixo a pena-base em 20 (vinte) anos de reclusão. Foi utilizado o seguinte critério: partindo-se da pena base mínima abstrata, a ela foi acrescida a quantidade de dois anos para cada circunstância judicial desfavorável (o que corresponde a 1/6 dessa pena mínima abstrata).

Não há agravantes nem atenuantes a considerar.

Não há causas de aumento nem de diminuição de pena a considerar.

Por tal motivo, torno a pena concreta e definitiva para este crime em 20 (vinte) anos de reclusão.

DA REGRA DO ERRO NA EXECUÇÃO

Em razão das regras dos artigos 73 c/c art. 70 do Código Penal, deve ser utilizada a exasperante máxima prevista no art. 70 do Código Penal (metade), sobre a maior das penas (20 anos), haja vista a quantidade de pessoas atingidas por erro na execução. Assim, a pena final, concreta e definitiva para este acusado, é de 30 (trinta) anos de reclusão.

DO NÃO CABIMENTO DA SUBSTITUIÇÃO PREVISTA NO ARTIGO 44, I a III do CPB

Incabível a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, face não preencher integralmente os requisitos do inciso I do artigo 44 do CPB, tendo em vista ser o crime cometido mediante violência à pessoa.

DO NÃO CABIMENTO DA SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA

Incabível, ainda, a suspensão condicional da pena em face de a pena privativa de liberdade aplicada ao réu, ser superior a dois anos, observado o disposto no artigo 77 do CPB.

DO REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO DA PENA

O regime inicial para cumprimento da pena privativa de liberdade é o FECHADO, a teor do art. 33, § 2º, “a” do Código Penal.

DA PRISÃO DO RÉU

Mantenho a prisão preventiva do acusado pelos mesmos fundamentos das decisões de fls. 21/22 dos autos do Pedido de Prisão Preventiva em apenso e de fls. 147/149, cujos fundamentos ficam fazendo parte integrante desta sentença.

DA INDENIZAÇÃO À FAMÍLIA DA VÍTIMA

Deixo de fixar indenização em favor da família da vítima por ausência de elementos para tanto.

VI – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Expeça-se Guia de Recolhimento provisória.

Condeno o acusado nas custas processuais.

Registre-se.

Intimados todos (Ministério Público, defensores constituídos e réu) pessoalmente, em plenário.

Cumpra-se.

Anotações necessárias.

Observância dos efeitos genéricos da condenação previstos no art. 91 do Código Penal, se cabíveis.

Após o trânsito em julgado, observem-se as disposições do art. 393, do Código de Processo Penal, expedindo-se competente Guia de Recolhimento Definitiva.

Comunique-se a Justiça Eleitoral para adoção das medidas oportunas, enquanto durar a execução da pena (art. 15, III, CF).

Providências necessárias decorrentes da sentença condenatória.

Atualize o histórico de partes no SAJ, certificando nos autos.

Mossoró, 02 de dezembro de 2015.

VAGNOS KELLY FIGUEIREDO DE MEDEIROS

Juiz de Direito - Presidente do Tribunal do Júri



*Mossoró Hoje
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário