Sistema prisional do RN registra nova fuga e mais duas mortes de presos

Em Natal, preso foi levar lixo para fora do CDP de Candelária e não voltou.
Já em Parnamirim e em Caraúbas, detentos foram encontrados mortos.


A tarde e a noite desta sexta-feira (24) foram movimentadas no sistema prisional potiguar. Segundo a Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coape), um detento escapou pela porta da frente do Centro de Detenção Provisória de Candelária, na Zona Sul de Natal, e dois detentos foram encontrados mortos: um no CDP de Parnamirim, que fica na região Metropolitana da capital, e o outro na Cadeia Pública de Caraúbas, na região Oeste. Em ambos os casos, sindicâncias serão instauradas para apurar as eventuais responsabilidades.

Luciano Amaral Bezerra (Foto: Divulgação/Sejuc)Luciano Amaral Bezerra (Foto: Divulgação/Sejuc)
Diretor da Coape, Zemilton Silva contou ao G1que a fuga no CDP de Candelária aconteceu por volta das 20h30. O detento que escapou foi identificado como Luciano Amaral Bezerra, de 42 anos, mais conhecido como 'toupeira'. Preso por tráfico de drogas, ele trabalhava na limpeza da unidade. "Após uma faxina, ele foi levar o lixo para fora e não voltou", relatou.

Quanto a responsabilidades pela fuga, Zemilton ressaltou que a equipe de plantão deverá ser ouvida durante a sindicância, pois mesmo sendo considerado de confiança, "o preso jamais deveria ter deixado a unidade sem supervisão".

Com a fuga de 'toupeira', chega a 250 o número de presos que já escaparam do sistema prisional em 2016. Alguns foram recapturados, mas nem a Secretaria de Justiça (Sejuc) nem a Secretaria de Segurança Pública (Sesed) sabem precisar a quantidade de fugitivos que retornaram aos presídios.

Enforcados
A morte no CDP de Parnamim foi registrada por volta das 12h, momento em que o corpo de Igor Alves da Silva, de 19 anos, foi encontrado dependurado pelo pescoço. Preso por receptação de material roubado, o rapaz havia chegado na unidade dois dias antes. Zemilton explicou que somente a perícia da polícia técnica porderá atestar se o detento tirou a própria vida ou se foi vítima de um homicídio. De acordo com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o preso tinha marcas de unhas no pescoço.

Diretor do CDP, João Victor fez questão de ressaltar que a unidade não possui histórico de fugas e que passou ilesa pelas rebeliões que aconteceram em março do ano passado.

Já na Cadeia Pública de Caraúbas, a vítima foi Wanderson Bruno Martins de Freitas. "O preso foi encontrado durante uma revista estrutural na unidade. Estava dependurado pelo pescoço dentro de um banheiro", disse o diretor Sérgio Idelfonso. A polícia trabalha com a possibilidade de assassinato. 

15 mortes em 2016
Com as mortes destes dois detentos, chega a 15 o número de presos encontrados mortos dentro de unidades prisionais do Rio Grande do Norte apenas em 2016. 

Sistema em calamidade
O sistema penitenciário potiguar não passa por um bom momento. E faz tempo. Em março de 2015, após uma série de rebeliões em várias unidades prisionais, o governo decretou estado de calamidade pública e pediu ajuda à Força Nacional. Para a recuperação de 14 presídios, todos depredados durante os motins, foram gastos mais de R$ 7 milhões. Tudo em vão. As melhorias feitas foram novamente destruídas. Atualmente, em várias unidades, as celas não possuem grades e os presos circulam livremente dentro dos pavilhões.

*G1/RN
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário