Crise no petróleo deve deixar mais de 35 mil pessoas desempregadas em Mossoró

O fechamento dos poços de petróleo no Estado será sem dúvida mais um grande impacto econômico para os potiguares. A expectativa é que cerca de 8 mil pessoas percam seus empregos, e se analisada toda cadeia produtiva do petróleo serão em média 70 mil pessoas desempregadas no Rio Grande do Norte. Os números foram passados pelo coordenador-geral do Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (Sindipetro), José Araújo.

Para Mossoró, os danos serão incontáveis. “O que estimamos é que metade desse número de desempregos, ligados a cadeia produtiva, comércio, hotelaria, entre outros, seja na Capital do Oeste, ou seja, menos 35 mil postos diretos e indiretos de trabalho para Mossoró”, destaca José Araújo.

Segundo noticiado, o campo de Agulha, localizado em Guamaré, que está a aproximadamente 170km de Mossoró, será um dos grandes prejudicados. “A plataforma marinha, que só de uma empresa tem mais de 100 funcionários, será totalmente fechada. Imagine quando for feito o levantamento de todas empresas atuantes na plataforma”, preocupa-se o coordenador.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Turismo de Mossoró, Renato Fernandes, o fechamento dos poços causa impactos serissímos ao município, tendo em vista que vai atingir vários setores. “Com a plena atividade dos poços, movimentamos a economia, setor hoteleiro, imobiliário, toda uma cadeia se beneficia, com a produção”, destaca Renato.

(Foto: Josemário Alves/MH)

De acordo com o secretário, outras alternativas já estão sendo planejadas para evitar grandes danos. “Somos um polo que tem muitas riquezas, vamos fortalecer o setor salineiro, fruticultura para mantermos a economia da cidade”, diz ele.

Entenda o Caso

A problemática gira em torno do Governo Federal querer, segundo os petroleiros, a privatização da Petrobras. “Não há justificativa. Nossos consumidores são os próprios brasileiros. Não dependemos de importação, nem exportação, isso é uma falácia usada pra iludir a população”, diz o coordenador José Araújo.

Para ele, o Governo quer tirar da concorrência das multinacionais a Petrobras porque sabe da força que a empresa tem. “Só no Rio Grande do Norte somos responsáveis por 47% do PIB Industrial”, comenta ele.

São milhares de empregos em risco, além dos trabalhos sociais desenvolvidos pela empreiteira. “Nenhuma empresa vai fazer pelos municípios o que a Petrobras faz. Não chegamos e perfuramos os poços apenas. Temos trabalho nas escolas, nos bairros, com crianças, pequenos agricultores e toda sociedade”, acrescenta José Araújo.

De acordo com ele, algumas ações de enfrentamento já estão sendo tomadas. Há um processo de comunicação com a sociedade para esclarecimento da situação, na Assembleia Legislativa, Câmara de Deputados, Senado, Universidades. No inicio de agosto será deflagrada greve geral por tempo indeterminado.

LEIA MAIS:


*Mossoró Hoje
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário