_________________________________________________________________

_________________________________________________________________

Pré-candidatos moldam discurso econômico para 2018

Na tentativa de superar o tema 'corrupção', pré-candidatos à presidência têm se preocupado em moldar discurso sobre economia que deverá nortear campanhas


Numa tentativa de superar as discussões sobre corrupção, pré-candidatos ao Palácio do Planalto têm se preocupado em moldar um discurso sobre economia que deverá nortear as campanhas em 2018. No foco do debate eleitoral a ser travado no ano que vem estão as reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB).

Até mesmo o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que costuma ser avesso ao tema em entrevistas e declarações, afirma que tem buscado ajuda de um nome do mercado financeiro para incorporar questões econômicas em seus discursos. Ele, porém, não revela quem é o profissional e diz apenas que é um “quatro estrelas”. “Se eu disser o nome ele passará a ser perseguido e pode até ser demitido”, disse.
À frente nas pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é quem mais diretamente tem explorado o assunto, associando a agenda reformista ao impeachment de Dilma Rousseff.

Enquanto isso, outros nomes da oposição como Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) adotam um tom mais ameno ao abordar as reformas. Embora façam críticas pontuais às propostas de Temer, defendem a necessidade de o próximo presidente levar adiante as mudanças estruturais caso o atual falhe na missão.

“O problema da Previdência no Brasil é que 2% dos beneficiários levam mais de um terço do benefício, e nisso não está se mexendo. É muito melhor você fazer uma coisa realista, que estabeleça uma transição, e acabe com 100% disso para o futuro, impondo um teto para todas as categorias profissionais que passe a valer daqui 10 ou 15 anos”, disse Ciro, ensaiando um discurso que ataca o “calcanhar de Aquiles” da reforma previdenciária de Temer: a manutenção de privilégios.

Conselheiros

Para formatar seu programa de governo, Ciro tem contado com a ajuda dos ex-ministros Mangabeira Unger (governos Lula e Dima) e Luiz Carlos Bresser Pereira (governo Sarney). O pré-candidato do PDT, que por ora diz não ter a intenção de compor uma chapa com Lula, tem percorrido universidades em palestras na qual mescla sua habitual língua afiada ao falar de adversários a teorias econômicas.

Já Marina tem ao seu lado economistas que a acompanham desde a criação da Rede, como Eduardo Giannetti da Fonseca, José Eli da Veiga e Ricardo Abramovay. Sua intenção é tentar se colocar como uma alternativa de centro-esquerda na disputa de 2018. A inspiração, nas palavras de um aliado, será o presidente francês Emannuel Macron, eleito em maio com discurso considerado à direita do governo do socialista François Hollande, de qual foi ministro.

Lula também tem consultado economistas para ajudá-lo a montar um plano de governo desde o início do ano. Entre eles estão Luiz Gonzaga Belluzo e Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda. As consultas, segundo sua assessoria, continuam mesmo em meio à possibilidade de ele ser impedido de ser candidato em 2018, no caso de sua condenação na Operação Lava Jato seja confirmada em segunda instância e ele seja enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

Governistas

Do lado governista, tanto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), quanto Doria ­–os dois nomes mais cotados para uma eventual candidatura tucana –, têm defendido as reformas de Temer.

O governador tem focado seu discurso na defesa da criação de empregos como solução e tenta deixar um legado no governo de São Paulo para servir de cartão de visita em uma eventual candidatura. Já o prefeito tem na boa relação com o mercado e a imagem de empresário bem sucedido seu trunfo eleitoral.

Agência Estado
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário