_________________________________________________________________

_________________________________________________________________

Ex-prefeito Brenno Queiroga, que disse ter feito "campanha limpa", deverá ter as contas de campanha desaprovadas pela Justiça Eleitoral por falhas insanáveis

O Ministério Público Eleitoral manifestou-se pela desaprovação das contas de campanha do ex-prefeito de Olho D’água do Borges, Brenno Queiroga, candidato à reeleição em 2016. Em parecer assinado em 17 de julho de 2017, a promotora Thatiana Kaline Fernandes,  concluiu que houve “irregularidade graves e insanáveis na prestação de contas” do Pmdebista, vejam alguns trechos da manifestação do MPE:

As irregularidades apontadas pela unidade técnica responsável pelo exame das contas são, inequivocamente, suficientes para a rejeição das contas, por representarem vícios graves e insanáveis, que contrariam dispositivos centrais da Lei n.º 9.504/97, referentes à movimentação financeira da campanha e à correspondente prestação de contas de campanha, bem como da Resolução TSE n.º 23.463/2015. Por outro lado, como já mencionado, tais irregularidades violam a transparência e a lisura da prestação de contas e dificultam o efetivo controle, por parte da Justiça Eleitoral, sobre a licitude da movimentação dos recursos de campanha.

Em decorrência disso, as omissões e falhas da prestação de contas sob exame não asseguram que a campanha política tenha sido desenvolvida de forma límpida, com a garantia do equilíbrio da concorrência, sendo ilegítimo eventual mandato conquistado, como sustenta José Jairo Gomes (In Direito Eleitoral, 8ª edição revista atualizada e ampliada. Editora Atlas: São Paulo, 2012, p. 307/308):

Em face do exposto, manifesta-se o Ministério Público Eleitoral pela DESAPROVAÇÃO das contas de campanha sob exame, nos termos do artigo 68, inciso III, da Resolução nº 23.463/2015 do Tribunal Superior Eleitoral. É a manifestação.

Diante das irregularidades insanáveis comprovados pelo MPE em sua prestação de conta, cai por terra a versão fantasiosa e  falaciosa do ex-prefeito de ter feito uma "campanha limpa". Enquanto isso, as contas de campanha da prefeita eleita Maria Helena Leite Queiroga foram aprovadas sem ressalvas pela justiça eleitoral. Fica prevalecendo o ditado popular de que "Contra fatos não há argumentos".

Veja parecer na integra:

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PROMOTORIA ELEITORAL DA 39ª ZONA DO RIO GRANDE DO NORTE UMARIZAL 
AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ ELEITORAL DA 39ª ZONA ELEITORALProcesso Nº: 175-51.2016.6.20.0039 
Assunto: Contas de Candidatos – Eleições 2016 
Candidato: Brenno Oliveira Queiroga de Morais 
Partido: PMDB – Olho D’Água do Borges 
PARECER 
         O Ministério Público Eleitoral da 39ª Zona Eleitoral do Estado do Rio Grande do Norte, representado, neste ato, pela Promotora Eleitoral que ora subscreve, vem respeitosamente manifestar-se nos termos que se seguem.
                   Tratam os autos de Prestação de Contas do Candidato Brenno Oliveira Queiroga de Morais ao cargo de prefeito, nas eleições municipais de 2016, no Município de Olho D’Água do Borges, submetida à apreciação do Ministério Público Eleitoral por força dos dispositivos legais.
                      O Relatório Técnico Conclusivo, às fls. 23-23v, concluiu pela desaprovação das contas.
                        Após vieram os autos com vista a este Órgão Ministerial para manifestação.
                        É o relatório. Passa-se a manifestação.
              Entende o Ministério Público Eleitoral, na linha do que consta no relatório técnico conclusivo (fls. 23-23v), que as contas do candidato em epígrafe merecem a desaprovação.
                     As irregularidades apontadas pela unidade técnica responsável pelo exame das contas são, inequivocamente, suficientes para a rejeição das contas, por representarem vícios graves e insanáveis, que contrariam dispositivos centrais da Lei n.º 9.504/97, referentes à movimentação financeira da campanha e à correspondente prestação de contas de campanha, bem como da Resolução TSE n.º 23.463/2015.
                     Por outro lado, como já mencionado, tais irregularidades violam a transparência e a lisura da prestação de contas e dificultam o efetivo controle, por parte da Justiça Eleitoral, sobre a licitude da movimentação dos recursos de campanha. 
                       Como se nota, o candidato, através de seu causídico, à fl. 20, foi devidamente intimado para se manifestar sobre a irregularidade apontada, mas deixou transcorrer o prazo sem qualquer manifestação.
                Em decorrência disso, as omissões e falhas da prestação de contas sob exame não asseguram que a campanha política tenha sido desenvolvida de forma límpida, com a garantia do equilíbrio da concorrência, sendo ilegítimo eventual mandato conquistado, como sustenta José Jairo Gomes (In Direito Eleitoral, 8ª edição revista atualizada e ampliada. Editora Atlas: São Paulo, 2012, p. 307/308):

Saliente-se que a omissão – total ou parcial – de dados na prestação de contas denota desinteresse do candidato em submeter-se ao controle jurídico-contábil, em revelar a origem e o destino exatos dados aos valores arrecadados e empregados na campanha. A falta de transparência faz brotar a presunção de que a campanha se desenvolveu por caminhos escusos, inconfessáveis, incompatíveis com os princípios que informam o Estado Democrático de Direito; induz a crença de que os autos de prestação de contas não passam de peça ficcional, longe, pois, de espelhar a realidade. 

O bem jurídico protegido é a lisura da campanha eleitoral. ‘Arbor ex fructu cognoscitur’, pelo fruto se conhece a árvore. Se a campanha é alimentada com recursos de fontes proibidas ou obtidos de modo ilícito, ou ainda, realiza gastos não tolerados, ela mesma acaba por contaminar-se, tornando-se ilícita. Da campanha ilícita jamais poderá nascer mandato legítimo, pois árvore malsã não produz senão frutos doentios. 

                  Enfim, pelo que se denota o candidato não mostrou interesse em regularizar as divergências encontradas na movimentação financeira, configurando, portanto, fatos suficientes a ensejar a desaprovação das contas prestadas.

                    Em face do exposto, manifesta-se o Ministério Público Eleitoral pela DESAPROVAÇÃO das contas de campanha sob exame, nos termos do artigo 68, inciso III, da Resolução nº 23.463/2015 do Tribunal Superior Eleitoral. É a manifestação. Umarizal/RN, 17 de julho de 2017. 

Thatiana Kaline Fernandes 
Promotora Eleitoral 
Prestação de Contas 094.2017.000627 2 
Documento 2017/0000301985 criado em 17/07/2017 às 10:13
 http://consultampvirtual.mprn.mp.br/public/validacao/524c1175af987367564b9b4c6e421cfc

Veja a fonte: Blog do Gilberto Dias
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário