_________________________________________________________________

_________________________________________________________________

POLÍCIA GAUCHA INVESTIGA LIGAÇÃO DE POLÍTICOS E LÍDER DE FACÇÃO CRIMINOSA QUE ESTÁ NO PRESÍDIO FEDERAL DE MOSSORÓ-RN


Por trás de uma articulada rede de lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, a Polícia Civil do RS investiga ligações de uma facção criminosa com a política em Novo Hamburgo,no Vale do Sinos. Os principais investigados da Operação Consilium – que significa política em latim –, deflagrada nesta quarta-feira (12), são o vereador Emerson Fernando Lourenço, o Fernandinho, do Solidariedade, e o subsecretário de Obras Pedro André Arenhardt.

Há suspeita de que o vereador recebeu em sua campanha dinheiro do tráfico por intermédio de Arenhardt. Foram identificadas movimentações de dinheiro e outros negócios ligando os dois ao traficante Juliano Biron da Silva, líder de facção e que está no Presídio Federal de Mossoró. Entre 2012 e 2018, o grupo teria movimentado R$ 15 milhões.

Arenhardt seria um dos elos do vereador com os criminosos. Os negócios suspeitos envolveriam a compra e a venda de imóveis registrados em nomes de "laranjas", o uso de contas bancárias de empresas de transporte e de demolição de carros, além de transferências de dinheiro entre Biron e Arenhardt.

— O trabalho teve como foco verificar a tentativa de ingresso das facções, por meio de seus membros ou de indivíduos vinculados às mesmas, nos diversos setores da sociedade, entre eles, o relevante setor político. Depois de ocupar espaços para o tráfico, as facções buscam permear outros setores — diz o delegado Márcio Zachello, um dos responsáveis pela investigação. 

Policiais cumpriram nesta quarta-feira 15 mandados de busca e apreensão em Novo Hamburgo. A Consilium é um desdobramento de investigações feitas pelo Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) desde 2016 e que atingiram a célula da facção comandada por Biron.

A investigação é da Delegacia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro do Denarc, tendo utilizado um inquérito da 2ª Delegacia de Polícia de São Leopoldo, que já investigava o vereador por lavagem de dinheiro. O trabalho teve acompanhamento da Promotoria de Justiça de Combate à Lavagem de Dinheiro e Organização Criminosa.

Foram documentos apreendidos em outras operações que ajudaram a polícia a traçar o caminho do dinheiro do tráfico, reforçando as suspeitas em relação a Fernandinho e a Arenhardt.

Um dos indícios de ligação de Fernandinho com a facção é o fato de ele ser responsável por uma empresa de transportes que funciona no mesmo endereço que seria de um ponto de recolhimento de dinheiro de Biron – local que já foi alvo de operação policial. Também foi achado na casa do vereador, em buscas no ano passado, cheque emitido por um homem com antecedentes por tráfico e homicídio. 

Um imóvel do parlamentar em Tramandaí, por exemplo, foi usado como parte do pagamento de uma casa de R$ 1,2 milhão que, segundo a polícia, pertence a Biron. O imóvel do traficante fica em um condomínio fechado em Cachoeirinha. O contrato de aquisição da casa no Litoral, em nome do vereador, foi apreendido em outra operação na residência de um homem apontado como sendo braço direito de Biron.

A apuração também revelou que o vereador seria responsável por controlar três empresas de transporte que estão em nome de familiares e da ex-mulher dele. Apesar de se beneficiar dos negócios, o parlamentar não os declara no imposto de renda, conforme a polícia apurou. 

Em 2016, a mulher do vereador comprou uma casa em Imbé, no Litoral Norte, por R$ 550 mil, apesar de não ter renda declarada compatível com a transação. A investigação indicou que os pagamentos foram feitos por Fernandinho. A família não teria poder aquisitivo para fechar o negócio, segundo declarações feitas ao fisco.

Também chamou a atenção dos policiais o fato de o político usar diversos carros sem registra-los em seu nome, de acordo com a polícia, uma estratégia típica de lavagem de dinheiro. Foram identificados um Honda Fit, uma Toyota/RAV 4, um HB20, um Fiat Brava e um Santana.

Relacionado ao vereador, foi identificado Arenhardt, que teria sido indicado a um cargo em comissão da prefeitura de Novo Hamburgo justamente por Fernandinho. Conforme registro no site do município, ele está lotado na Secretaria de Obras Públicas e Serviços Urbanos e Viários no cargo de subsecretário leste, com salário de R$ 4,9 mil. 

Arenhardt tem em seu nome uma empresa de peças e acessórios de carros que, conforme a investigação, está inativa. Apesar disso, a empresa movimentou em suas contas, em cinco anos, R$ 7 milhões. A partir de quebra de sigilos, a polícia descobriu que Biron fez transferências de dinheiro para Arenhardt, que também reverteu valores para o traficante.

Na campanha de 2016, Arenhardt doou R$ 6 mil para a campanha de Fernandinho. Acabou respondendo a processo no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por ter feito doação superior ao limite de 10% de seu rendimento bruto.

A Consilium aponta ainda que Arenhardt teria adquirido três imóveis depois da aproximação com Biron: um terreno em Triunfo por R$ 20 mil, um apartamento em Campo Bom por R$ 149 mil e uma casa em Novo Hamburgo avaliada em R$ 240 mil.

Oito pessoas são investigadas, além de seis empresas. O vereador Fernandinho já foi indiciado em inquéritos por porte e posse ilegal de arma de fogo (foi preso ano passado durante operação policial), tráfico de drogas e jogos de azar. E responde a processo por tráfico de drogas.

Para o delegado Rodrigo Zucco, de São Leopoldo, a ação é um complemento à repressão que a polícia tem feito à facção de Biron, que também é suspeito de ter matado o fotógrafo José Gustavo Bertuol Gargioni, 22 anos, em Canoas. 

GaúchaZH
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

Atenção, antes de postar um comentário leia isto:

1. Todos os comentários postados neste espaço passarão por uma rigorosa análise antes de serem publicados.

2. Comentários que agridem verbalmente pessoas públicas só serão aceitos com identificação por meio de um cadastro válido.

3. Estes comentaristas devem se identificar com uma Conta Google, OpenID, LiveJournal, WordPress, TypePad ou AIM. Para todos os casos basta escolher a opção desejada no campo "Comentar como:" e logar.

4. Para responder um comentário basta clicar em “Reply” no comentário e escrever a resposta na frente do texto na janela que abrir. Exemplo: @<ahref="#c1234567890123456789">Anônimo</a> Olá, ótimo comentário. ConversãoConversão EmoticonEmoticon

Obrigado pelo seu comentário