Filme diz ter provas sobre fraude em eleição de Joe Biden...

Vídeo “2000 Mules”, chamado de “documentário”, alimenta teoria da direita dos EUA sobre Donald Trump não ter perdido disputa em 2020...


A controvérsia sobre a lisura das eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos ganhará um novo capítulo neste sábado (7.mai.2022), com o filme “2000 Mules”.  Chamado de “documentário”, o vídeo terá sua estreia virtual e vai tratar da versão da direita norte-americana a respeito do resultado da disputa pela Casa Branca em 2020, quando o democrata Joe Biden teve 81,3 milhões de votos contra 74,2 milhões do republicano Donald Trump (no Colégio Eleitoral, Biden venceu por 306 a 232 votos)....

O trailer do filme, lançado na plataforma Rumble em 23 de abril de 2022, já tem 1,6 milhão de visualizações. Esse vídeo curto de 3 minutos afirma que “2000 Mules” (“2.000 mulas”, numa referência a pessoas que fazem trabalho ilegal e em trocadilho com o símbolo do Partido Democrata) apresentará provas de um esquema de alteração das urnas em diferentes Estados norte-americanos. ...

A produção diz ter “4 milhões de horas” de filmagens captadas por câmeras de rua com pessoas adicionando cédulas de votação em troca de dinheiro. Utilizou consultoria do True The Vote, grupo que investiga a integridade eleitoral norte-americana e afirma ter chegado às conclusões de fraude por meio do cruzamento de dados de geolocalização de celulares e imagens de vigilância. 

No Brasil, é possível assistir à estreia aqui a partir das 21h. É preciso pagar US$ 20 (R$ 101 na cotação atual). Inclui uma sessão virtual de perguntas e respostas com os produtores do filme.  

Outra opção, esta presencial em Las Vegas, cobra US$ 499 (R$ 2.535) e inclui também um jantar e coquetel. No domingo (8.mai.), a produção estará disponível gratuitamente pelo Rumble. 

A pré-estreia reuniu cerca de 1.000 pessoas no resort de Trump em Mar-a-Lago, em Palm Beach, na Flórida. O ex-presidente estava presente. Pediu aos espectadores que “fizessem algo” a respeito das supostas provas de manipulação eleitoral. 

O filme com 1h28min de duração é dirigido pelo cineasta Dinesh D’Souza. ...

QUEM É DINESH D’SOUZA 

Nascido na Índia, Dinesh D’Souza, 61 anos, migrou para os Estados Unidos em 1978. Construiu carreira como analista político e escritor –é autor de 16 obras, incluindo os best-sellers “The End of Racism” (1995), “Illiberal Education” (1998) e “What’s So Great About Christianity” (2008), todos sem tradução no Brasil. ...

O QUE É O TRUE THE VOTE 

O True The Vote, sediado em Houston, no Texas, foi fundado em 2009 por Catherine Engelbrecht. Afirma ser um projeto de fiscalização independente da integridade eleitoral nos Estados Unidos. ...

“Esse projeto foi uma grande aposta para nós […] não sabíamos o que encontraríamos nos dados. Podíamos não encontrar nada. Mas não foi isso o que aconteceu. […] Há tantas maneiras de subverter o processo eleitoral. Nós expusemos um. […] O presidente Trump estava certo, e a maioria dos americanos sabe disso. Agora a pergunta é, o que vamos fazer sobre isso?” questionou Engelbrecht na pré-estreia em Mar-a-Lago. ...

FRAUDE ELEITORAL 

A tese de que as eleições de 2020 nos Estados Unidos foram manipuladas é contestada por organizações internacionais. Logo depois da confirmação do resultado pelo Colégio Eleitoral, observadores da OEA (Organização dos Estados Americanos) declararam em relatório que não houve “nenhuma irregularidade grave” nas eleições norte-americanas. Trata-se do mesmo entendimento emitido pela OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), que constatou que o país passou pelo “teste extremo de stress” com “êxito e transparência“. 

Em âmbito doméstico, o então procurador de Justiça dos EUA, William Barr, também declarou não ter constatado evidência de fraude do pleito. Ele renunciou ao cargo por conflitos com Trump.

Créditos: Poder360



Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário